A decepção com o PIB do 3° trimestre

07.12.2021

No dia 2 de dezembro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do Produto Interno Brasileiro (PIB) do terceiro trimestre. De acordo com o IBGE, o PIB apresentou queda de 0,1% em relação ao segundo trimestre do ano quando caiu 0,4%. Este segundo resultado negativo consecutivo na comparação trimestral consolida o que os economistas chamam de recessão técnica.

Com este decepcionante resultado, o PIB se mantém no patamar do fim de 2019, período pré-pandemia, e ainda está 3,4% abaixo do ponto mais alto obtido na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014, ainda no Governo Dilma Rousseff.

Ao analisarmos os números do PIB pela ótica da oferta, percebemos que o setor agropecuário foi aquele que mais encolheu, registrando queda de 8,0%, consequência do encerramento da safra de soja, além do fato de vir de uma base de comparação alta, já que foi a atividade que mais cresceu no período de pandemia.

Já a indústria, que responde por cerca de 20% do PIB nacional, ficou estável (0,0%) no trimestre. Os persistentes problemas na cadeia produtiva, além da crise energética, afetaram o setor industrial. Houve crescimento apenas na construção (3,9%). As indústrias de transformação (-1,0%) e extrativa (-0,4%) apresentaram queda.

O único setor do PIB que registrou crescimento foi o de serviços com alta de 1,1%. Com a gradual reabertura da economia, devido à queda no número de casos de Covid-19, as famílias voltaram a consumir mais serviços.

Já quando analisamos o PIB pela ótica da demanda, tanto o consumo das famílias (0,9%), como o consumo do governo (0,8%) apresentaram crescimento modesto na comparação com o trimestre anterior.

O consumo das famílias, principal força motriz da economia, foi influenciado pelo avanço da vacinação contra Covid-19 e o consequente aumento da mobilidade das pessoas. Já o consumo do governo apresentou leve expansão com a reabertura de equipamentos públicos e a retomada da prestação de serviços, tais como o de escolas e universidades.

Todavia, a formação bruta de capital fixo (-0,1%), as exportações (-9,8%) e importações de bens e serviços (-8,3%) apresentaram queda frente ao trimestre imediatamente anterior.

Os péssimos números do comércio de bens e serviços com o exterior, fortemente influenciados pela safra de soja e de outras commodities como o café, certamente contribuíram para trazer a variação do PIB para território negativo.

Como se pode depreender, a partir de um olhar mais detido sobre os dados do PIB, a tão esperada retomada da economia (pós-pandemia) começa a dar sinais de arrefecimento e já suscita revisões para baixo nas projeções do PIB deste ano e do próximo.

A queda da massa salarial, a corrosão do poder aquisitivo das famílias pela alta inflação e as sucessivas elevações da taxa básica de juros pelo Banco Central parecem já começar a deixar marcas sobre o nível de atividade.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

Tarifas de importação caem para segurar inflação

18.11.2021
No mês passado, o Banco Central do Brasil (BC) elevou, pela sexta vez consecutiva, a taxa básica de juros da economia para 7,75% ao ano, um aumento de 1,5% em relação à taxa até então em vigor. O Banco Central argumentou, no comunicado pós-reunião, que este aumento (o maior já realizado em uma única reunião desde 2002) se faz necessário para buscar trazer a inflação do próximo ano para a meta estabelecida, já que a de 2021 será descumprida com folga, inclusive com o risco de terminar o ano em dois dígitos. O fato é que há hoje quase um consenso de que o BC cometeu um erro de avaliação sobre a intensidade e a duração do atual processo inflacionário brasileiro, e a percepção que se tem é que agora está tentando correr...

A preocupante aceleração da dívida pública

13.10.2021
A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) divulgou, no final de setembro, o seu mais recente relatório sobre a dívida pública federal com os dados consolidados para o mês de agosto de 2021. O relatório mostrou que a dívida pública atingiu a impressionante cifra de R$ 5,481 trilhões, quase 1,1 trilhão de reais a mais do que no mesmo mês do ano passado, o que revela o severo impacto do desajuste fiscal brasileiro e que foi potencializado ainda mais pela pandemia do Covid-19. Comparada com o mesmo mês do ano anterior, a dívida pública federal (que exclui a dívida dos governos subnacionais) apresentou crescimento de 24,2% em 12 meses e já corresponde a algo em torno de 67% do PIB. Do total desta dívida, R$ 244 bilhões (4%) se refere à dívida externa. O restante, R$ 5,237 trilhões, corresponde...

Recuperação vigorosa da economia fica ainda mais distante

09.09.2021
No início de setembro o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2021 e, de acordo com o instituto, o PIB apresentou queda de 0,1% frente ao trimestre anterior, interrompendo uma série de três trimestres de crescimento. Observando os números do PIB pelos grandes setores que compõem a economia, a maior queda veio da agropecuária (-2,8%), seguida pela indústria (-0,2%). O setor de serviços foi o único que apresentou crescimento com alta de 0,7% beneficiado com a flexibilização das restrições ligadas à pandemia. A queda do PIB no segundo trimestre também refletiu a queda dos investimentos que recuaram 3,6%, bem como a estagnação do consumo das famílias, que não variou no período (0,0%). O...

Selic em alta, credibilidade em baixa

10.08.2021
OComitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) deu sequência, no dia 4 de agosto, ao ciclo de elevação da taxa Selic iniciado em março. Desta vez, porém, optou por elevar a dose, aumentando, em decisão unânime, a taxa básica de juros em um ponto percentual para 5,25% ao ano. No comunicado divulgado ao público, após a decisão, o BC afirmou ainda que na próxima reunião antevê outro ajuste da mesma magnitude, bem como que continuará a dar prosseguimento no processo de elevação da taxa Selic até que a mesma se estabilize acima do patamar neutro. Para que não paire dúvidas entre os nossos leitores, vale dizer que quando a taxa de juros passa a ficar acima da chamada taxa neutra (estimada hoje em algo em torno dos 6,5% a.a.), a intenção da...

Balança comercial brasileira registra superávit no primeiro semestre

12.07.2021
No último dia primeiro de julho, o Ministério da Economia divulgou os dados da balança comercial do mês de junho, bem como o consolidado para o primeiro semestre de 2021. Apenas em junho o Brasil exportou US$ 10,4 bilhões a mais do que importou, apresentando superávit nunca antes registrado para um único mês desde o início da série histórica. Já no acumulado dos seis primeiros meses do ano, o superávit da balança comercial foi de US$ 37,5 bilhões, resultado também inédito para um primeiro semestre, cujo recorde anterior havia sido registrado em 2017 (US$ 31,9 bilhões). Tal resultado está relacionado ao chamado boom de commodities (das quais o Brasil é um grande exportador), e é reflexo da forte demanda oriunda, em especial, dos países asiáticos que hoje são os...

Indícios de retomada

08.06.2021
No início de junho o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou os dados do Produto Interno Brasileiro (PIB) com os resultados para o primeiro trimestre de 2021 e, de acordo com o instituto, o PIB apresentou, nos três primeiros meses do ano, crescimento de 1,2% em relação ao trimestre anterior. Os números divulgados confirmam a tendência de retomada que já vinha sendo antecipada pelos economistas através dos dados de aumento da arrecadação de impostos, consumo de energia, produção de papelão ondulado, entre outros. Ao analisarmos os números do PIB pela chamada ótica da oferta, ou seja, pelos grandes setores que compõem a economia, notamos que todos apresentaram crescimento, sendo liderados, uma vez mais, pela agropecuária. O setor agropecuário cresceu 5,7% em...

O emprego à espera de uma vacina

10.05.2021
No último dia 30 de abril, o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados para o desemprego no Brasil. Apesar de um início de ano mais promissor para alguns setores que voltaram a criar novas vagas de trabalho (como o setor calçadista), os dados do emprego no Brasil ainda se mostram assaz desafiadores. Segundo a pesquisa, o Brasil contava com 176,7 milhões de pessoas em idade de trabalho, das quais 76,4 milhões estavam fora da força de trabalho, número 11,6 milhões maior do que em junho de 2020. Das 100,3 milhões de pessoas restantes, 85,9 milhões estavam ocupadas (menos 7,4 milhões do que em junho passado) e as demais estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 14,4% de desemprego. Todavia, ao somarmos o número de pessoas desempregadas (14,4 milhões)...

Um novo ciclo

07.04.2021
No mês passado, o Banco Central do Brasil (BC) iniciou, após seis anos, um novo ciclo de aumentos da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia. O Copom (Comitê de Política Monetária do BC) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,75 ponto percentual, de 2% para 2,75% ao ano. Em seu comunicado pós-reunião, o Copom deixou explícito que fará um novo ajuste de igual magnitude já em seu próximo encontro, e tudo indica que tais aumentos não se limitarão apenas a estes. De acordo com as projeções compiladas pelo próprio Banco Central junto a instituições financeiras, o chamado “mercado” espera que a taxa de juros termine o ano em 5% e que chegue a 6% em 2022. O Banco Central argumentou, na ata de sua reunião, que este aumento se fez necessário para trazer a...

Um tombo esperado

11.03.2021
Em dezembro último, neste espaço, chamei a atenção dos leitores de que o ano de 2020, sob o prisma da atividade econômica, foi um ano para se esquecer. E a confirmação de que atividade econômica brasileira não passou incólume, sendo fortemente afetada pela pandemia causada pelo SARS CoV-2, veio no último dia 03 de março quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do Produto Interno Brasileiro (PIB) de 2020. De acordo com o IBGE, o PIB apresentou, no quarto trimestre, crescimento de 3,2% em relação ao trimestre anterior, mas isto não impediu que a economia brasileira encerrasse o ano de 2020 com um tombo de 4,1%. Ademais, se voltarmos o nosso olhar ao chamado PIB per capita, a queda foi ainda maior e mais impressionante, com um recuo de 4,8% em 2020, demonstrando o severo...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.

Seu email foi cadastrado com sucesso.