Balança comercial brasileira registra superávit no primeiro semestre

12.07.2021

No último dia primeiro de julho, o Ministério da Economia divulgou os dados da balança comercial do mês de junho, bem como o consolidado para o primeiro semestre de 2021.

Apenas em junho o Brasil exportou US$ 10,4 bilhões a mais do que importou, apresentando superávit nunca antes registrado para um único mês desde o início da série histórica.

Já no acumulado dos seis primeiros meses do ano, o superávit da balança comercial foi de US$ 37,5 bilhões, resultado também inédito para um primeiro semestre, cujo recorde anterior havia sido registrado em 2017 (US$ 31,9 bilhões).

Tal resultado está relacionado ao chamado boom de commodities (das quais o Brasil é um grande exportador), e é reflexo da forte demanda oriunda, em especial, dos países asiáticos que hoje são os maiores destinos das exportações brasileiras, bem como também dos melhores termos de troca (alta internacional dos preços destes produtos).

Todos os setores apresentaram, em junho, aumento nas vendas. As exportações agropecuárias e as da indústria de transformação subiram, respectivamente, 24,9% e 38,1% quando comparadas ao mês de junho de 2020. Já as vendas externas da indústria extrativista, beneficiadas pela valorização dos preços das commodities minerais, subiram impressionantes 175,8% com relação ao mesmo mês do ano anterior.

Após números tão expressivos, o Ministério da Economia optou por revisar sua projeção para a balança comercial de 2021 de US$ 89,4 para US$ 105,3 bilhões. Se a previsão for confirmada, o resultado será mais que o dobro do valor obtido em 2020 e também será recorde.

Tal projeção é mais otimista do que a feita pelo mercado financeiro que, de acordo com o relatório Focus, projeta um superávit de US$ 69 bilhões para 2021, e é ainda mais auspiciosa quando comparada com a projeção do próprio Ministério feita no início do ano, que era de um superávit de US$ 53 bilhões.

O que pode possibilitar que tal projeção seja alcançada é a trajetória do petróleo, que tem apresentado expansão tanto no seu preço de venda como na quantidade exportada, bem como a do minério de ferro que, apesar de não ter registrado embarques tão expressivos, tem apresentado também uma explosão no preço de venda.

Ademais, o segundo semestre apresenta, tradicionalmente, exportações maiores do que o primeiro, já que nos dois primeiros meses do ano os embarques caem devido a férias coletivas e ao Carnaval.

Vale lembrar, porém, que com a revisão para cima das projeções para o PIB de 2021, as importações também deverão apresentar forte crescimento, o que pode frustrar as ambiciosas projeções do Ministério da Economia.

Independentemente disso, o certo é que os números da balança comercial brasileira têm sido até aqui assaz positivos e revelam que a economia global começa a se recuperar dos reflexos da pandemia e nos dão esperança que o pior já passou e que bons ventos começam a soprar sobre a atividade econômica brasileira.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

Indícios de retomada

08.06.2021
No início de junho o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentou os dados do Produto Interno Brasileiro (PIB) com os resultados para o primeiro trimestre de 2021 e, de acordo com o instituto, o PIB apresentou, nos três primeiros meses do ano, crescimento de 1,2% em relação ao trimestre anterior. Os números divulgados confirmam a tendência de retomada que já vinha sendo antecipada pelos economistas através dos dados de aumento da arrecadação de impostos, consumo de energia, produção de papelão ondulado, entre outros. Ao analisarmos os números do PIB pela chamada ótica da oferta, ou seja, pelos grandes setores que compõem a economia, notamos que todos apresentaram crescimento, sendo liderados, uma vez mais, pela agropecuária. O setor agropecuário cresceu 5,7% em...

O emprego à espera de uma vacina

10.05.2021
No último dia 30 de abril, o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados para o desemprego no Brasil. Apesar de um início de ano mais promissor para alguns setores que voltaram a criar novas vagas de trabalho (como o setor calçadista), os dados do emprego no Brasil ainda se mostram assaz desafiadores. Segundo a pesquisa, o Brasil contava com 176,7 milhões de pessoas em idade de trabalho, das quais 76,4 milhões estavam fora da força de trabalho, número 11,6 milhões maior do que em junho de 2020. Das 100,3 milhões de pessoas restantes, 85,9 milhões estavam ocupadas (menos 7,4 milhões do que em junho passado) e as demais estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 14,4% de desemprego. Todavia, ao somarmos o número de pessoas desempregadas (14,4 milhões)...

Um novo ciclo

07.04.2021
No mês passado, o Banco Central do Brasil (BC) iniciou, após seis anos, um novo ciclo de aumentos da taxa Selic, a taxa básica de juros da economia. O Copom (Comitê de Política Monetária do BC) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,75 ponto percentual, de 2% para 2,75% ao ano. Em seu comunicado pós-reunião, o Copom deixou explícito que fará um novo ajuste de igual magnitude já em seu próximo encontro, e tudo indica que tais aumentos não se limitarão apenas a estes. De acordo com as projeções compiladas pelo próprio Banco Central junto a instituições financeiras, o chamado “mercado” espera que a taxa de juros termine o ano em 5% e que chegue a 6% em 2022. O Banco Central argumentou, na ata de sua reunião, que este aumento se fez necessário para trazer a...

Um tombo esperado

11.03.2021
Em dezembro último, neste espaço, chamei a atenção dos leitores de que o ano de 2020, sob o prisma da atividade econômica, foi um ano para se esquecer. E a confirmação de que atividade econômica brasileira não passou incólume, sendo fortemente afetada pela pandemia causada pelo SARS CoV-2, veio no último dia 03 de março quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados do Produto Interno Brasileiro (PIB) de 2020. De acordo com o IBGE, o PIB apresentou, no quarto trimestre, crescimento de 3,2% em relação ao trimestre anterior, mas isto não impediu que a economia brasileira encerrasse o ano de 2020 com um tombo de 4,1%. Ademais, se voltarmos o nosso olhar ao chamado PIB per capita, a queda foi ainda maior e mais impressionante, com um recuo de 4,8% em 2020, demonstrando o severo...

Uma velha e conhecida pauta

10.02.2021
No dia 03 de fevereiro o presidente Bolsonaro, em visita ao Congresso, entregou documento aos novos presidentes eleitos da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), solicitando ao Congresso Nacional primazia para 35 proposições consideradas prioritárias pelo Poder Executivo. O documento, entregue pelo Presidente, elenca projetos defendidos pela equipe econômica do governo, bem como uma série de elementos da chamada pauta de costumes. No que tange aos temas econômicos, as proposições apresentadas abrangem, entre outras, autonomia do Banco Central, reforma administrativa, marcos regulatórios setoriais, reforma tributária, privatização da Eletrobrás e três Propostas de Emenda à Constituição (PECs) da chamada “Agenda Mais Brasil”. Algumas das...

O fim de uma longa novela

14.01.2021
Após vários meses de intensas negociações e quatro anos de turbulência política causada pelo referendo do Brexit, a União Europeia (UE) e o Reino Unido selaram o acordo que definirá suas futuras relações, encerrando uma longa e cansativa novela. Neste último 1º de janeiro, esgotou-se o chamado "período de transição", em que Londres e Bruxelas mantiveram a maior parte das leis do bloco, enquanto negociavam como seria seu novo relacionamento pós-Brexit. Assim, somente agora, em 2021, os impactos produzidos pelo Brexit começarão a serem efetivamente sentidos. Entre as principais mudanças estão o fim da livre circulação de pessoas, os controles aduaneiros e a limitação de serviços que antes eram realizados sem maiores restrições. Para os...

2020: Um ano para (não) esquecer

10.12.2020
Chegamos ao fim de 2020 e, como de costume nesta época, é hora de fazer um balanço do ano que se encerra. Todavia, este não foi apenas mais um ano. Vimos nossas casas se transformarem em escritórios, deixamos de frequentar nossos restaurantes favoritos, não fomos aos cinemas e nem assistimos aos jogos de nossos times nos estádios, deixamos de abraçar e conviver com amigos, perdemos pessoas queridas. Em maior ou menor intensidade todos fomos afetados pela pandemia de Covid-19 e, naturalmente, a economia não passaria incólume. No início do ano, ainda sem ter a dimensão dos impactos que o coronavírus poderia produzir na dinâmica econômica, analistas projetavam que a economia brasileira deveria apresentar um crescimento da ordem de 2,5% do PIB. Imaginava-se, diante deste cenário mais otimista, que o mercado de trabalho...

Duplo mandato no Banco Central

16.11.2020
O Senado Federal aprovou o projeto de autonomia do Banco Central (BC) que agora segue para exame da Câmara dos Deputados. A questão já vem há muito tempo sendo debatida, contudo, é importante deixar claro que o projeto não concede ao BC a independência formal que constava no plano de governo apresentado por Jair Bolsonaro nas eleições. O próprio autor do projeto de lei, o senador Plínio Valério, diz: “o meu projeto não torna o Banco Central independente. É autonomia para que o presidente do BC não seja demitido da noite para o dia e possa executar o que foi traçado”. De fato, independência formal é outra coisa e, se aprovada, transformaria o BC em um quase quarto poder da República. A autonomia busca apenas conceder um mandato fixo e a estabilidade no cargo ao presidente e aos membros da...

Um raio-X do emprego em tempos de pandemia

13.10.2020
No mês passado o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados do emprego no trimestre móvel encerrado em julho. Segundo a pesquisa, o Brasil contava em julho com 174,1 milhões de pessoas com idade para trabalhar, das quais 79 milhões estavam fora da força de trabalho, ou seja, pessoas que, por alguma razão (estudos, dedicação a tarefas do lar ou porque simplesmente desistiram), não desejam ou procuram uma colocação no mercado de trabalho. Das 95,1 milhões de pessoas restantes, 82 milhões estavam ocupadas e outras 13,1 milhões estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 13,8% de desempregados, um aumento de 2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Se somarmos ao número de pessoas desempregadas (13,1...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.

Seu email foi cadastrado com sucesso.