Esquea o B2C. O momento agora do H2H

27.06.2018

Uma das grandes transformações da era digital diz respeito a modelo de negócios. Afinal, não dá para achar que toda essa tecnologia e superconexão impactaria apenas de um lado. Muda comportamento, muda hábito, muda o consumo. Muda tudo! E talvez essa seja a parte mais difícil de toda essa transformação. Modelo de negócio não se compra em prateleira. Tem que suar!

Para criar um modelo relevante para o momento atual, a primeira coisa que precisamos aceitar é que não existem mais produtos. Isso mesmo! As pessoas não compram mais produtos, elas compram a experiência. E se sua empresa ainda não entendeu isso, meu amigo, temos um problema.

Reflita comigo: quantas empresas fazem o mesmo produto que você? Várias, né? Agora me diz, o que você entrega de diferente para os seus consumidores? Aliás, você ainda os chama de consumidores?

A era digital trouxe uma grande necessidade de humanização. Não é mais B2B ou B2C. É H2H! De humano para humano. Você já deve ter percebido isso, afinal, um dos setores mais quadrados que existem, o financeiro, se reinventou. Precisou vir o Nubank para que os grandes bancos entendessem que não queremos receber uma planilha com possibilidades de investimentos, queremos ser tratados com carinho. Queremos poder mandar um WhatsApp para o gerente e ver tudo resolvido.

Consumidor

O novo consumidor não quer ser visto como mais um. Ele quer saber que é importante. E para que as marcas possam fazer com que ele se entenda como tal, precisam conversar. E conversar de verdade, não abrir um SAC. É mandar mensagem perguntando se gostou do produto, se tem alguma sugestão de melhoria, mas mais do que isso, é saber se o cachorro melhorou daquela tosse e se o avô saiu do hospital. Não necessariamente nessa ordem.

Queremos, todos, ser reconhecidos pelos indivíduos que somos. E como indivíduos, somos únicos. Não somos uma massa consumidora. Somos pessoas com histórias únicas, necessidades únicas e desejos únicos. Todos temos voz e todos somos influentes.

Você aí, se coloque no papel de um consumidor. Da marca que quiser, que mais lhe agrade. E agora me diz, o que essa marca faz de diferente das outras, para que ela seja a primeira que vem a sua mente?

Roberta Ramos

Roberta Ramos gestora de Projetos na Abicalados, jornalista, empreendedora e entusiasta de futurismo. Contato: roberta@abicalcados.com.br.

VEJA TAMBM...

Inovao no-tecnolgica

24.04.2018
Quando ouvimos a palavra inovação, de cara pensamos em tecnologia, automação e robozinhos andando de um lado a outro. É natural. Talvez uma das áreas mais desenvolvidas seja justamente essa, a da inovação tecnológica. Mas é importante observarmos que são conceitos distintos. Afinal, não é a toa que órgãos como Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, conselhos de Inovação e Tecnologia, e até mesmo o Portal de Inovação e Tecnologia, trazem essas palavras lado a lado, indicando que cada uma possui uma definição própria. A inovação não necessariamente precisa ser tecnológica. O importante é que ela traga soluções inéditas e que possuam valor de mercado. Ou...

A ascenso dos wearables

26.03.2018
Muito temos ouvido falar sobre Indústria 4.0 e Manufatura Avançada, conceitos modernos de fabricação, criados na Alemanha e nos Estados Unidos, respectivamente. E venho falando nesta coluna sobre a importância de pensarmos a evolução da indústria de forma integrada, que considera não apenas o processo, mas também o produto e novos modelos de negócios. E é para trazer um desses outros aspectos à tona que hoje me propus a falar de wearables. Essa palavrinha de pronúncia difícil, a grosso modo, diz respeito a produtos com tecnologia embarcada. Um exemplo comum são aquelas pulseiras de borracha que medem batimentos cardíacos, contam passos, calculam calorias perdidas e emitem ondas vibratórias na hora de acordar. Pensando a respeito, pergunto: se conseguimos embarcar tecnologia para fazer tudo isso numa tira...

Mais mquinas, novos empregos

01.03.2018
Estamos passando pela Quarta Revolução Industrial e um dos temas que sempre vira pauta de discussão é a automatização da força de trabalho e, consequentemente, a queda no número de empregos. É, certamente, um tema importante e que merece a luz dos holofotes, em especial quando tratamos da indústria calçadista, ainda tão artesanal. Estudos sobre futuro do trabalho divergem, ao mesmo tempo em que se complementam, quando tratam do assunto. Uma pesquisa da McKinsey diz que, para cada vaga perdida, 2,4 novas serão criadas, especialmente em startups. No geral, podemos concluir que, sim, teremos uma perda significativa no que diz respeito a funções exercidas hoje no mercado de trabalho.Entretanto, novas funções aparecerão, demandando outros tipos de talentos ou habilidades. E...

Um futuro para (des)construir

29.01.2018
O despertador toca, mas você já não acorda no susto como acontecia antes. Hoje, com a tecnologia, o aparelho emite sinais, próximo da hora marcada, que te induzem a um sono mais leve. Você levanta. Na cozinha, a cafeteira já preparou seu café e o aroma invade a casa. A torradeira já preparou o pão. Ao pegar a última caixa de leite na geladeira, ela emite um pedido de compra para que o supermercado mais próximo entregue mais cinco, às 18 horas, que é exatamente quando você chega em casa. Seu assistente pessoal repassa os compromissos do dia e, com base neles, você decide o que quer vestir e calçar. Mas ao invés de ir até o armário, você apenas seleciona os arquivos com os modelos escolhidos e os coloca para imprimir. Depois de atender aos compromissos externos, você chega em casa e recebe...

AGENDA

+ VEJA MAIS

LTIMAS NOTCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.