A difícil tarefa de reduzir juros – parte II

09.03.2020

Em mais uma tentativa de acelerar o ritmo de crescimento econômico brasileiro o Banco Central do Brasil (BC) anunciou, no mês passado, uma nova redução nas alíquotas dos recolhimentos compulsórios, agora sobre os chamados depósitos a prazo (aplicações em títulos de renda fixa), de 31% para 25%.

Para os não familiarizados com o conceito, os depósitos compulsórios são, em suma, um instrumento de política monetária que o Banco Central utiliza para controlar o total de recursos disponíveis na economia. Em termos práticos, eles são o resultado de um percentual aplicado sobre o total dos depósitos mantidos pelos clientes nas instituições financeiras e que as mesmas são obrigadas a manter no BC não podendo direcioná-los em operações de empréstimos.

Ao autorizar a queda deste percentual, a medida objetiva elevar o total de recursos disponíveis aos bancos para a realização de operações de crédito (R$ 49 bilhões, segundo estimativas do próprio BC), bem como possibilitar uma redução nas taxas de juros dos empréstimos bancários. Esta é mais uma medida que o atual governo, como discorri na coluna anterior, vem envidando para tentar reduzir as taxas de juros das linhas de crédito direcionadas a consumidores e empresas.

Neste sentido, faz-se mister afirmar que diante do atual cenário de fraca atividade econômica e baixa inflação, a redução dos compulsórios é, sem dúvida, uma boa notícia, vindo também ao encontro de uma das demandas das próprias instituições financeiras, que costumam alegar que as elevadas alíquotas dos compulsórios são um dos fatores responsáveis pelo alto custo do crédito no Brasil, ou seja, pelas altas taxas de juros cobradas nos empréstimos bancários.

Destarte, para ser considerada realmente uma boa notícia, seus efeitos devem efetivamente chegar ao bolso do cidadão comum, por meio de um volume maior e mais barato de recursos disponíveis para empréstimos.

Além desta redução dos recolhimentos sobre os depósitos a prazo, os compulsórios sobre os depósitos à vista (saldos em conta corrente) já haviam sido reduzidos pelo BC, de 40% para 25%, e os relativos aos depósitos em caderneta de poupança para 20%.

A questão é que apesar destas sucessivas quedas nas alíquotas dos compulsórios, as taxas de juros praticadas pelos bancos, nas mais diversas linhas de crédito disponíveis, nem de perto acompanharam o mesmo ritmo e continuam ainda muito elevadas.

Para exemplificar ao leitor, as taxas de juros médias do cheque especial, segundo informações do BC, estão em 165,6% ao ano e a do crédito rotativo do cartão de crédito em escorchantes 316,8% ao ano.

Se este esforço de redução dos compulsórios não se transformar em real estímulo ao consumo e ao investimento empresarial, através de uma maior disponibilidade de recursos, bem como pela redução do custo das operações de empréstimo, tal medida acabará se convertendo apenas em mais uma destinada a engordar os já bem obesos lucros dos bancos brasileiros.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

A difícil tarefa de reduzir os juros no Brasil

03.02.2020
Desde o segundo semestre de 2016 o Banco Central (BC) vem realizando cortes na taxa básica de juros (Selic), fazendo com que ela saísse da casa dos 14,25% a.a. para os atuais 4,5%. A questão é que para que os efeitos salutares desta queda da Selic venham a ser potencializados, é essencial que a redução dos juros ocorra também na ponta final, ou seja, nas linhas de crédito disponíveis aos consumidores e empresas. O fato é que em outras oportunidades, quando houve redução da taxa Selic, ela não se converteu, ao menos na mesma intensidade, em juros menores às famílias e às empresas. Isso ocorre devido ao elevado spread cobrado pelos bancos e que nada mais é do que a diferença entre a taxa de juros que os bancos pagam para captar recursos e a que eles cobram ao conceder esses mesmos recursos por...

O que esperar de 2020?

14.01.2020
Em meados dos anos 80, para quem é da minha geração, imaginar viver em 2020 era imaginar ser transportado em carros voadores, ter humanos habitando outros planetas em colônias terrestres, viver em um mundo sem conflitos e livre da fome e da desigualdade social. Ao menos era isto que muitos seriados de ficção científica despejavam no imaginário de seus espectadores. Todavia, como sabemos, não temos colônias em marte (nem a Lua voltamos mais desde 1972); os carros continuam rodando em terra firme, muitas vezes em estradas esburacadas; e o mundo continua extremamente conflituoso e desigual com muitos milhões vivendo na extrema pobreza. Aqui no Brasil, como discuti em minha última coluna, chegamos a 2020 piores do que estávamos no início da década. A soma de toda a produção econômica, descontada a...

Os limites da política monetária

29.11.2019
No mês passado, o Federal Reserve (o banco central americano) reduziu, uma vez mais, a taxa de Fed Funds (equivalente a nossa Selic) para o intervalo entre 1,50% e 1,75% a.a. Tal decisão se soma a de vários outros países que também vêm reduzindo suas taxas básicas de juros, alguns deles para seus menores patamares históricos.  Para que o leitor possa ter ideia mais precisa deste processo, a Inglaterra conta hoje com uma taxa básica de juros de apenas 0,5% a.a. e o Banco Central Europeu, em sua última reunião, manteve a taxa de juros da Zona do Euro em exatos 0%. Há casos, porém, que conseguem ser ainda mais impressionantes. Alguns países possuem hoje taxas básicas de juros negativas, entre os quais Japão (-0,1% a.a.), Suécia (-0,25% a.a.), Dinamarca e Suíça...

É preciso fazer a roda girar

14.10.2019
No mês passado, o Banco Central (BC) reduziu, pela segunda vez consecutiva, a taxa básica de juros em 0,5%. Com esta redução a taxa Selic atingiu sua mínima histórica de 5,5%. Apesar de ser uma boa notícia, esta decisão deve ser vista com um misto de satisfação e de apreensão. A satisfação advém do fato de que a inflação vem se mantendo comportada, abaixo do centro da meta, o que tem permitido ao BC executar uma política de afrouxamento monetário, ou seja, de redução da taxa básica de juros. A apreensão, por sua vez, decorre da constatação de que se a inflação está comportada, isto se deve ao alto grau de ociosidade de uma economia que se apresenta atualmente em ritmo praticamente estagnado, e cujo PIB real, ao final de 2019, será...

A preocupante situação do trabalho no Brasil

01.10.2019
No mês passado, o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados para o desemprego no primeiro semestre de 2019. Segundo a pesquisa, o Brasil contava em junho com 170,9 milhões de pessoas em idade de trabalho, das quais 64,8 milhões estavam fora da força de trabalho, ou seja, pessoas que, por alguma razão (estudos, dedicação a tarefas do lar ou porque simplesmente desistiram), não desejam ou procuram uma colocação no mercado de trabalho. Das 106,1 milhões de pessoas restantes, 93,3 milhões estavam ocupadas e outras 12,8 milhões estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 12% de desempregados, uma queda de 0,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar desta aparente boa notícia, uma análise mais detida dos...

O perverso perfil da dívida pública

19.08.2019
A Secretaria do Tesouro Nacional divulgou, em julho, o seu mais recente relatório sobre a dívida pública brasileira com os dados consolidados do primeiro semestre de 2019.O relatório mostrou que a dívida pública atingiu, ao final de junho, a representativa cifra de R$ 3,978 trilhões. Deste total, apenas R$ 152 bilhões (3,45%) se referem à dívida externa. O restante, R$ 3,826 trilhões, corresponde à dívida mobiliária federal interna (a parcela relativa a títulos públicos negociados no mercado local e que podem ser adquiridos no programa Tesouro Direto). Uma análise detida sobre esta parcela da dívida revela que, além de seu elevado valor, causa apreensão também o custo, o prazo médio e a forma como se dá a sua remuneração. Atualmente,...

Os riscos de uma meta de inflação menor

25.07.2019
No último mês de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reuniu para ratificar definir a nova meta de inflação para 2022. De acordo com o comunicado do CMN, a meta será de 3,5% (para 2019, 2020 e 2021 são, respectivamente, de 4,25%, 4,0% e 3,75%) com uma banda de variação de 1,5% para mais ou para menos. Quando comparado aos 10,67% de inflação apurada a quatro anos atrás, certamente é um número assaz ambicioso. É importante que fique claro que não se questiona os benefícios para a sociedade de uma menor inflação, haja vista a redução da perda do poder de compra da população, bem como pelas menores chances da ocorrência de uma espiral inflacionária o que pode levar os preços a se comportarem de forma exponencial.Todavia, é importante...

Os desafios para a indústria calçadista brasileira

05.06.2019
No mês passado, o IBGE divulgou os resultados, atualizados até março de 2019, de sua Pesquisa Industrial Mensal. Como esperado, os números apenas reiteraram as dificuldades enfrentadas atualmente pela indústria brasileira. A produção física da indústria como um todo recuou 1,3% em março em comparação ao mês anterior e impressionantes 6,1% quando comparada a março de 2018, apresentando resultados negativos em todas as categorias econômicas (bens de capital, bens intermediários, bens de consumo duráveis e bens de consumo semi e não-duráveis), bem como em 22 dos 26 ramos industriais pesquisados. No acumulado do ano, ou seja, no primeiro trimestre, a indústria recuou 2,2% frente ao trimestre anterior, após já ter apresentado queda de 1,2% no quarto trimestre de 2018, em...

Riscos do cenário externo

28.05.2019
Em meu último artigo discorri sobre os riscos ao comércio internacional da escalada do protecionismo no mundo. Nele mencionei que, a despeito do desejo de que uma guerra comercial entre EUA e China não venha a ser travada, os efeitos de um contexto internacional mais protecionista já podiam ser sentidos e que eles não se limitariam às duas superpotências. E em recente estudo divulgado pela OMC (Organização Mundial do Comércio) tal receio foi confirmado. O ritmo de expansão do comércio internacional caiu de 4,6% em 2017 para apenas 3,0% em 2018 e, segundo suas previsões, será ainda menor em 2019. Também como antecipei em outra coluna publicada neste mesmo espaço, em abril do ano passado, intitulada “O que esperar das contas externas em 2018”, diante deste cenário o Brasil não seria uma...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.