O que esperar de 2020?

14.01.2020

Em meados dos anos 80, para quem é da minha geração, imaginar viver em 2020 era imaginar ser transportado em carros voadores, ter humanos habitando outros planetas em colônias terrestres, viver em um mundo sem conflitos e livre da fome e da desigualdade social. Ao menos era isto que muitos seriados de ficção científica despejavam no imaginário de seus espectadores.

Todavia, como sabemos, não temos colônias em marte (nem a Lua voltamos mais desde 1972); os carros continuam rodando em terra firme, muitas vezes em estradas esburacadas; e o mundo continua extremamente conflituoso e desigual com muitos milhões vivendo na extrema pobreza.

Aqui no Brasil, como discuti em minha última coluna, chegamos a 2020 piores do que estávamos no início da década. A soma de toda a produção econômica, descontada a inflação, hoje é menor do que a que tínhamos em 2013, após os pífios resultados obtidos em 2014 (0,5%), 2015 (-3,5%), 2016 (-3,3%), 2017 (1,1%), 2018 (1,3%) e 2019 (cujas previsões apontam para um crescimento de 1,2%).

Porém, como diz o dito popular, a esperança é a última que morre, e então, uma vez mais, iniciamos o novo ano com os analistas projetando um crescimento econômico na casa dos 2,5%.

Todavia, para que este quadro possa ser efetivamente exposto, muitos fatores e acontecimentos deverão convergir, tanto no que tange ao cenário doméstico como no externo.

O mercado de trabalho terá que continuar a dar sinais mais claros de aquecimento, em especial, no segmento formal, com a criação de novos empregos com carteira assinada.

A inflação, que com o maior aquecimento econômico se acelerará, não deverá chegar ao nível que venha a exigir elevação significativa da taxa Selic.

A taxa básica de juros, se se mantiver no atual patamar, poderá estimular a tomada de crédito, diminuir o nível de endividamento das empresas, bem como reduzir as necessidades de financiamento do setor público, podendo abrir espaço, se o liberal Paulo Guedes permitir, para um maior gasto público de investimentos, em especial, na área de infraestrutura.

Já a aprovação das reformas estruturantes (como a tributária) e das privatizações, obsessões do Ministro da Economia, deverão, como já discutido anteriormente neste mesmo espaço, enfrentar dificuldades em serem aprovadas no Congresso, ao menos, na velocidade esperada pelos analistas.

Porém, é do front externo, com a permanência de um cenário internacional ainda complexo, que a maior ameaça para a concretização da retomada da economia brasileira poderá vir. A continuidade das disputas comerciais entre as duas maiores potências globais, os desdobramentos da agressiva política americana para o oriente médio, as consequências econômicas do Brexit, um desaquecimento maior do que esperado da economia chinesa, as incertezas sobre os resultados da eleição presidencial nos EUA e as instabilidades sociais e econômicas em alguns países da América Latina podem se tornar fontes de volatilidades com reflexos ao nível de atividade econômica brasileira
Só o tempo dirá.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

Os limites da política monetária

29.11.2019
No mês passado, o Federal Reserve (o banco central americano) reduziu, uma vez mais, a taxa de Fed Funds (equivalente a nossa Selic) para o intervalo entre 1,50% e 1,75% a.a. Tal decisão se soma a de vários outros países que também vêm reduzindo suas taxas básicas de juros, alguns deles para seus menores patamares históricos.  Para que o leitor possa ter ideia mais precisa deste processo, a Inglaterra conta hoje com uma taxa básica de juros de apenas 0,5% a.a. e o Banco Central Europeu, em sua última reunião, manteve a taxa de juros da Zona do Euro em exatos 0%. Há casos, porém, que conseguem ser ainda mais impressionantes. Alguns países possuem hoje taxas básicas de juros negativas, entre os quais Japão (-0,1% a.a.), Suécia (-0,25% a.a.), Dinamarca e Suíça...

É preciso fazer a roda girar

14.10.2019
No mês passado, o Banco Central (BC) reduziu, pela segunda vez consecutiva, a taxa básica de juros em 0,5%. Com esta redução a taxa Selic atingiu sua mínima histórica de 5,5%. Apesar de ser uma boa notícia, esta decisão deve ser vista com um misto de satisfação e de apreensão. A satisfação advém do fato de que a inflação vem se mantendo comportada, abaixo do centro da meta, o que tem permitido ao BC executar uma política de afrouxamento monetário, ou seja, de redução da taxa básica de juros. A apreensão, por sua vez, decorre da constatação de que se a inflação está comportada, isto se deve ao alto grau de ociosidade de uma economia que se apresenta atualmente em ritmo praticamente estagnado, e cujo PIB real, ao final de 2019, será...

A preocupante situação do trabalho no Brasil

01.10.2019
No mês passado, o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados para o desemprego no primeiro semestre de 2019. Segundo a pesquisa, o Brasil contava em junho com 170,9 milhões de pessoas em idade de trabalho, das quais 64,8 milhões estavam fora da força de trabalho, ou seja, pessoas que, por alguma razão (estudos, dedicação a tarefas do lar ou porque simplesmente desistiram), não desejam ou procuram uma colocação no mercado de trabalho. Das 106,1 milhões de pessoas restantes, 93,3 milhões estavam ocupadas e outras 12,8 milhões estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 12% de desempregados, uma queda de 0,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar desta aparente boa notícia, uma análise mais detida dos...

O perverso perfil da dívida pública

19.08.2019
A Secretaria do Tesouro Nacional divulgou, em julho, o seu mais recente relatório sobre a dívida pública brasileira com os dados consolidados do primeiro semestre de 2019.O relatório mostrou que a dívida pública atingiu, ao final de junho, a representativa cifra de R$ 3,978 trilhões. Deste total, apenas R$ 152 bilhões (3,45%) se referem à dívida externa. O restante, R$ 3,826 trilhões, corresponde à dívida mobiliária federal interna (a parcela relativa a títulos públicos negociados no mercado local e que podem ser adquiridos no programa Tesouro Direto). Uma análise detida sobre esta parcela da dívida revela que, além de seu elevado valor, causa apreensão também o custo, o prazo médio e a forma como se dá a sua remuneração. Atualmente,...

Os riscos de uma meta de inflação menor

25.07.2019
No último mês de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reuniu para ratificar definir a nova meta de inflação para 2022. De acordo com o comunicado do CMN, a meta será de 3,5% (para 2019, 2020 e 2021 são, respectivamente, de 4,25%, 4,0% e 3,75%) com uma banda de variação de 1,5% para mais ou para menos. Quando comparado aos 10,67% de inflação apurada a quatro anos atrás, certamente é um número assaz ambicioso. É importante que fique claro que não se questiona os benefícios para a sociedade de uma menor inflação, haja vista a redução da perda do poder de compra da população, bem como pelas menores chances da ocorrência de uma espiral inflacionária o que pode levar os preços a se comportarem de forma exponencial.Todavia, é importante...

Os desafios para a indústria calçadista brasileira

05.06.2019
No mês passado, o IBGE divulgou os resultados, atualizados até março de 2019, de sua Pesquisa Industrial Mensal. Como esperado, os números apenas reiteraram as dificuldades enfrentadas atualmente pela indústria brasileira. A produção física da indústria como um todo recuou 1,3% em março em comparação ao mês anterior e impressionantes 6,1% quando comparada a março de 2018, apresentando resultados negativos em todas as categorias econômicas (bens de capital, bens intermediários, bens de consumo duráveis e bens de consumo semi e não-duráveis), bem como em 22 dos 26 ramos industriais pesquisados. No acumulado do ano, ou seja, no primeiro trimestre, a indústria recuou 2,2% frente ao trimestre anterior, após já ter apresentado queda de 1,2% no quarto trimestre de 2018, em...

Riscos do cenário externo

28.05.2019
Em meu último artigo discorri sobre os riscos ao comércio internacional da escalada do protecionismo no mundo. Nele mencionei que, a despeito do desejo de que uma guerra comercial entre EUA e China não venha a ser travada, os efeitos de um contexto internacional mais protecionista já podiam ser sentidos e que eles não se limitariam às duas superpotências. E em recente estudo divulgado pela OMC (Organização Mundial do Comércio) tal receio foi confirmado. O ritmo de expansão do comércio internacional caiu de 4,6% em 2017 para apenas 3,0% em 2018 e, segundo suas previsões, será ainda menor em 2019. Também como antecipei em outra coluna publicada neste mesmo espaço, em abril do ano passado, intitulada “O que esperar das contas externas em 2018”, diante deste cenário o Brasil não seria uma...

A escalada do protecionismo

30.04.2019
Em 2018, o protecionismo (a imposição de barreiras tarifárias ou fitossanitárias sobre produtos importados) ganhou uma nova dimensão. A guerra comercial travada entre as duas maiores potências econômicas do mundo, inaugurada com a elevação de tarifas pelos Estados Unidos sobre vários produtos chineses, promoveu incertezas e exerceu constrangimento sobre o fluxo de comércio internacional. Como assinalado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), várias podem ser as justificativas para tal comportamento, entre as quais estaria a intenção do atual governo americano de proteger sua propriedade intelectual, bem como trazer de volta antigos elos industriais perdidos para outros países ao longo das últimas décadas. Destarte, pelo lado chinês, as retaliações indicariam sua...

O xadrez fiscal

06.03.2019
No mês de janeiro, o Tesouro Nacional divulgou o resultado das contas públicas para o mês de dezembro e, por conseguinte, para o consolidado do ano. Em 2018 o governo federal voltou a registrar, pelo quinto ano consecutivo, saldo negativo em suas contas, apresentando resultado primário (diferença entre receitas e despesas, sem considerar o pagamento de juros) deficitário de R$ 120,3 bilhões, o equivalente a 1,7% do PIB. Este resultado ficou abaixo da meta projetada para o ano de um déficit de R$ 159 bilhões, mas praticamente repetiu o resultado obtido em 2017, cujo saldo negativo fora de R$ 124,3 bilhões. No ano passado a despesa primária, sujeita ao teto de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional 95/2016 (que limita a expansão das despesas governamentais à inflação do ano anterior), totalizou R$ 1.287,9...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.