É preciso fazer a roda girar

14.10.2019

No mês passado, o Banco Central (BC) reduziu, pela segunda vez consecutiva, a taxa básica de juros em 0,5%. Com esta redução a taxa Selic atingiu sua mínima histórica de 5,5%.

Apesar de ser uma boa notícia, esta decisão deve ser vista com um misto de satisfação e de apreensão.

A satisfação advém do fato de que a inflação vem se mantendo comportada, abaixo do centro da meta, o que tem permitido ao BC executar uma política de afrouxamento monetário, ou seja, de redução da taxa básica de juros.

A apreensão, por sua vez, decorre da constatação de que se a inflação está comportada, isto se deve ao alto grau de ociosidade de uma economia que se apresenta atualmente em ritmo praticamente estagnado, e cujo PIB real, ao final de 2019, será menor do que o de 2013.

As sucessivas quedas da Selic (ao menos outra ainda virá) devem ser entendidas, portanto, a partir de um quadro de baixa inflação (o que, per si, é bom), porém resultante de uma intensa e duradoura crise econômica (o que é péssimo).

A questão é que desde 2016 (quando estava em 14,25%) o BC vem reduzindo a taxa básica de juros e depois de quase 10% de queda a economia teima em não dar sinais de retomada.

Todo o estudante de ciências econômicas aprende que a economia tem quatro grandes forças motrizes: o consumo das famílias, o investimento, o gasto público e o comércio exterior. E, neste momento, nenhuma delas apresenta situação alvissareira.

O Estado vive uma grave crise fiscal que o impede de se utilizar do gasto público como força motriz da economia e o comércio exterior sofre com as fortes tensões comerciais e geopolíticas mundo afora.

O consumo das famílias se apresenta limitado, especialmente devido à difícil situação do mercado de trabalho (como discuti em minha última coluna) e o investimento - a despeito de todas as tentativas de se recuperar a confiança do empresariado através de reformas (trabalhista, previdenciária, etc.) - não se concretiza, haja vista a falta de demanda e a alta ociosidade das plantas industriais já existentes.

O fato é que, de certa forma, a economia se parece com um automóvel. Quando um carro está em seu estado estacionário, o esforço que se faz para movê-lo de 0 a 20 km/h é sempre muito maior do que quando o mesmo veículo está a 80 km/h e se o põe a rodar a 100 km/h.

E diante de um cenário em que a economia brasileira está parada, faz-se então necessário pensar em meios alternativos para tirá-la da inércia.

Uma proposta neste sentido seria fazer com que o BNDES se desfizesse das muitas participações que possui em várias empresas públicas e privadas (o que não exige aumento de gastos), utilizando a receita auferida para retomar uma gama de obras de infraestrutura paralisadas (muitas delas há anos) pelo governo federal.

Além de produzir um verdadeiro efeito multiplicador ao gerar empregos diretos e indiretos, evitar-se-ia o desperdício dos recursos já investidos, constituindo-se em impulso para tirar a economia brasileira do estado estacionário em que se encontra.

Na atual conjuntura, é preciso ser criativo e fazer a roda começar a girar.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

A preocupante situação do trabalho no Brasil

01.10.2019
No mês passado, o IBGE divulgou sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com os dados consolidados para o desemprego no primeiro semestre de 2019. Segundo a pesquisa, o Brasil contava em junho com 170,9 milhões de pessoas em idade de trabalho, das quais 64,8 milhões estavam fora da força de trabalho, ou seja, pessoas que, por alguma razão (estudos, dedicação a tarefas do lar ou porque simplesmente desistiram), não desejam ou procuram uma colocação no mercado de trabalho. Das 106,1 milhões de pessoas restantes, 93,3 milhões estavam ocupadas e outras 12,8 milhões estavam à procura de trabalho, o que corresponde a uma taxa de 12% de desempregados, uma queda de 0,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar desta aparente boa notícia, uma análise mais detida dos...

O perverso perfil da dívida pública

19.08.2019
A Secretaria do Tesouro Nacional divulgou, em julho, o seu mais recente relatório sobre a dívida pública brasileira com os dados consolidados do primeiro semestre de 2019.O relatório mostrou que a dívida pública atingiu, ao final de junho, a representativa cifra de R$ 3,978 trilhões. Deste total, apenas R$ 152 bilhões (3,45%) se referem à dívida externa. O restante, R$ 3,826 trilhões, corresponde à dívida mobiliária federal interna (a parcela relativa a títulos públicos negociados no mercado local e que podem ser adquiridos no programa Tesouro Direto). Uma análise detida sobre esta parcela da dívida revela que, além de seu elevado valor, causa apreensão também o custo, o prazo médio e a forma como se dá a sua remuneração. Atualmente,...

Os riscos de uma meta de inflação menor

25.07.2019
No último mês de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reuniu para ratificar definir a nova meta de inflação para 2022. De acordo com o comunicado do CMN, a meta será de 3,5% (para 2019, 2020 e 2021 são, respectivamente, de 4,25%, 4,0% e 3,75%) com uma banda de variação de 1,5% para mais ou para menos. Quando comparado aos 10,67% de inflação apurada a quatro anos atrás, certamente é um número assaz ambicioso. É importante que fique claro que não se questiona os benefícios para a sociedade de uma menor inflação, haja vista a redução da perda do poder de compra da população, bem como pelas menores chances da ocorrência de uma espiral inflacionária o que pode levar os preços a se comportarem de forma exponencial.Todavia, é importante...

Os desafios para a indústria calçadista brasileira

05.06.2019
No mês passado, o IBGE divulgou os resultados, atualizados até março de 2019, de sua Pesquisa Industrial Mensal. Como esperado, os números apenas reiteraram as dificuldades enfrentadas atualmente pela indústria brasileira. A produção física da indústria como um todo recuou 1,3% em março em comparação ao mês anterior e impressionantes 6,1% quando comparada a março de 2018, apresentando resultados negativos em todas as categorias econômicas (bens de capital, bens intermediários, bens de consumo duráveis e bens de consumo semi e não-duráveis), bem como em 22 dos 26 ramos industriais pesquisados. No acumulado do ano, ou seja, no primeiro trimestre, a indústria recuou 2,2% frente ao trimestre anterior, após já ter apresentado queda de 1,2% no quarto trimestre de 2018, em...

Riscos do cenário externo

28.05.2019
Em meu último artigo discorri sobre os riscos ao comércio internacional da escalada do protecionismo no mundo. Nele mencionei que, a despeito do desejo de que uma guerra comercial entre EUA e China não venha a ser travada, os efeitos de um contexto internacional mais protecionista já podiam ser sentidos e que eles não se limitariam às duas superpotências. E em recente estudo divulgado pela OMC (Organização Mundial do Comércio) tal receio foi confirmado. O ritmo de expansão do comércio internacional caiu de 4,6% em 2017 para apenas 3,0% em 2018 e, segundo suas previsões, será ainda menor em 2019. Também como antecipei em outra coluna publicada neste mesmo espaço, em abril do ano passado, intitulada “O que esperar das contas externas em 2018”, diante deste cenário o Brasil não seria uma...

A escalada do protecionismo

30.04.2019
Em 2018, o protecionismo (a imposição de barreiras tarifárias ou fitossanitárias sobre produtos importados) ganhou uma nova dimensão. A guerra comercial travada entre as duas maiores potências econômicas do mundo, inaugurada com a elevação de tarifas pelos Estados Unidos sobre vários produtos chineses, promoveu incertezas e exerceu constrangimento sobre o fluxo de comércio internacional. Como assinalado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), várias podem ser as justificativas para tal comportamento, entre as quais estaria a intenção do atual governo americano de proteger sua propriedade intelectual, bem como trazer de volta antigos elos industriais perdidos para outros países ao longo das últimas décadas. Destarte, pelo lado chinês, as retaliações indicariam sua...

O xadrez fiscal

06.03.2019
No mês de janeiro, o Tesouro Nacional divulgou o resultado das contas públicas para o mês de dezembro e, por conseguinte, para o consolidado do ano. Em 2018 o governo federal voltou a registrar, pelo quinto ano consecutivo, saldo negativo em suas contas, apresentando resultado primário (diferença entre receitas e despesas, sem considerar o pagamento de juros) deficitário de R$ 120,3 bilhões, o equivalente a 1,7% do PIB. Este resultado ficou abaixo da meta projetada para o ano de um déficit de R$ 159 bilhões, mas praticamente repetiu o resultado obtido em 2017, cujo saldo negativo fora de R$ 124,3 bilhões. No ano passado a despesa primária, sujeita ao teto de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional 95/2016 (que limita a expansão das despesas governamentais à inflação do ano anterior), totalizou R$ 1.287,9...

Mais um ano decepcionante

19.12.2018
Chegamos ao fim de mais um ano e, como é costume nesta época, é hora de fazer um balanço do período que se encerra. Em dezembro passado, neste mesmo espaço, no artigo intitulado “Que venha 2018”, afirmava que, com a manutenção de taxas de juros baixas, inflação controlada, maior volume de crédito e aquecimento do mercado de trabalho, estaria aberto o espaço para uma recuperação substancial da economia brasileira em 2018. De fato, a taxa básica de juros atingiu seu menor patamar histórico (6,5% em março) e assim permaneceu ao longo de todo o ano. A inflação permaneceu comportada (devendo terminar o ano entre 4,0% e 4,5%), bem como experimentamos uma leve recuperação do mercado de trabalho com a taxa de desocupação ficando em 11,9% (dados de outubro),...

Um nó difícil de desatar

03.12.2018
Em maio de 2017, neste mesmo espaço, compartilhei com os leitores a minha visão do que deveria ser uma verdadeira reforma tributária, em uma época em que o Governo Temer ainda se propunha a debater o tema. Agora, no momento em que a sociedade brasileira acaba de eleger, em segundo turno, um novo Presidente para um mandato de quatro anos, cabe voltar à questão. É premente a necessidade de uma reforma do sistema tributário brasileiro que vigora, sem grandes alterações, desde a última grande reforma empreendida pelo Governo Castelo Branco, ainda nos primórdios do regime militar que comandou o país por 21 anos (1964-1985). Todavia, o que se sabe até o momento, da visão do Presidente eleito e de sua equipe sobre o assunto, é meramente um alinhavado de propostas, haja vista o paupérrimo debate de temas...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.