O perverso perfil da dívida pública

19.08.2019

A Secretaria do Tesouro Nacional divulgou, em julho, o seu mais recente relatório sobre a dívida
pública brasileira com os dados consolidados do primeiro semestre de 2019.O relatório mostrou que a dívida pública atingiu, ao final de junho, a representativa cifra de R$ 3,978 trilhões.

Deste total, apenas R$ 152 bilhões (3,45%) se referem à dívida externa. O restante, R$ 3,826 trilhões, corresponde à dívida mobiliária federal interna (a parcela relativa a títulos públicos negociados no mercado local e que podem ser adquiridos no programa Tesouro Direto).

Uma análise detida sobre esta parcela da dívida revela que, além de seu elevado valor, causa apreensão também o custo, o prazo médio e a forma como se dá a sua remuneração.

Atualmente, apenas 31,8% dos títulos têm sua remuneração previamente estabelecida. O restante (68,2%) têm sua remuneração atrelada à variação da taxa Selic, da taxa de câmbio ou a de algum índice de inflação, o que torna o custo desta dívida flutuante e incerto.

Ademais, o prazo médio destes títulos é curto (49 meses), isto é, em média, em pouco mais de quatro anos o governo precisará encontrar recursos para quitar este passivo, caso não consiga convencer os atuais detentores a comprar novos papéis.

Outra questão assaz relevante é o custo incidente sobre esta parcela da dívida. A taxa média de juros paga pelos títulos está em 9% ao ano, o que, nos últimos 12 meses, representou R$ 384,4 bilhões gastos apenas com o pagamento de juros aos seus detentores (essencialmente instituições financeiras, fundos de pensão e fundos de investimento).

Para efeito de comparação, basta lembrar que o bolsa família consumirá cerca de R$ 30 bilhões neste ano, ou seja, o que o país paga de juros em um ano equivale a quase 13 vezes o que se gasta com este importante programa social.

Outro número revela de forma ainda mais contundente o problema. O déficit somado da previdência do setor privado e dos servidores públicos civis e militares foi de R$ 290,3 bilhões em 2018, ou seja, o que se pagou de juros em um ano supera em quase 100 bilhões o valor do déficit total da previdência.

Como se pode depreender por estes dados, o problema da dívida pública brasileira não é apenas de tamanho, mas primordialmente de perfil. Temos hoje uma dívida cara, indexada e curto prazista que desvia, aos credores do Estado, preciosas receitas em uma perversa forma de redistribuição de renda, haja vista que a disponibilidade de recursos destinados a políticas públicas (saúde, educação e programas sociais) e a investimentos (estradas, portos, energia, etc.) acaba sendo insuficiente para alargar os gargalos sociais e estruturais de nosso país.

O problema se agrava ainda mais quando, na busca de promover um ajuste fiscal, a opção do atual governo recai em contingenciar ainda mais estes gastos. Destarte, encontrar formas de gestão que melhorem o perfil desta dívida é, portanto, assaz necessário se se quer lograr crescimento econômico sustentável com justiça social.

Orlando Assunção Fernandes

Orlando Assunção Fernandes é economista, mestre em Economia Política e doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

VEJA TAMBÉM...

Os riscos de uma meta de inflação menor

25.07.2019
No último mês de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reuniu para ratificar definir a nova meta de inflação para 2022. De acordo com o comunicado do CMN, a meta será de 3,5% (para 2019, 2020 e 2021 são, respectivamente, de 4,25%, 4,0% e 3,75%) com uma banda de variação de 1,5% para mais ou para menos. Quando comparado aos 10,67% de inflação apurada a quatro anos atrás, certamente é um número assaz ambicioso. É importante que fique claro que não se questiona os benefícios para a sociedade de uma menor inflação, haja vista a redução da perda do poder de compra da população, bem como pelas menores chances da ocorrência de uma espiral inflacionária o que pode levar os preços a se comportarem de forma exponencial.Todavia, é importante...

Os desafios para a indústria calçadista brasileira

05.06.2019
No mês passado, o IBGE divulgou os resultados, atualizados até março de 2019, de sua Pesquisa Industrial Mensal. Como esperado, os números apenas reiteraram as dificuldades enfrentadas atualmente pela indústria brasileira. A produção física da indústria como um todo recuou 1,3% em março em comparação ao mês anterior e impressionantes 6,1% quando comparada a março de 2018, apresentando resultados negativos em todas as categorias econômicas (bens de capital, bens intermediários, bens de consumo duráveis e bens de consumo semi e não-duráveis), bem como em 22 dos 26 ramos industriais pesquisados. No acumulado do ano, ou seja, no primeiro trimestre, a indústria recuou 2,2% frente ao trimestre anterior, após já ter apresentado queda de 1,2% no quarto trimestre de 2018, em...

Riscos do cenário externo

28.05.2019
Em meu último artigo discorri sobre os riscos ao comércio internacional da escalada do protecionismo no mundo. Nele mencionei que, a despeito do desejo de que uma guerra comercial entre EUA e China não venha a ser travada, os efeitos de um contexto internacional mais protecionista já podiam ser sentidos e que eles não se limitariam às duas superpotências. E em recente estudo divulgado pela OMC (Organização Mundial do Comércio) tal receio foi confirmado. O ritmo de expansão do comércio internacional caiu de 4,6% em 2017 para apenas 3,0% em 2018 e, segundo suas previsões, será ainda menor em 2019. Também como antecipei em outra coluna publicada neste mesmo espaço, em abril do ano passado, intitulada “O que esperar das contas externas em 2018”, diante deste cenário o Brasil não seria uma...

A escalada do protecionismo

30.04.2019
Em 2018, o protecionismo (a imposição de barreiras tarifárias ou fitossanitárias sobre produtos importados) ganhou uma nova dimensão. A guerra comercial travada entre as duas maiores potências econômicas do mundo, inaugurada com a elevação de tarifas pelos Estados Unidos sobre vários produtos chineses, promoveu incertezas e exerceu constrangimento sobre o fluxo de comércio internacional. Como assinalado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), várias podem ser as justificativas para tal comportamento, entre as quais estaria a intenção do atual governo americano de proteger sua propriedade intelectual, bem como trazer de volta antigos elos industriais perdidos para outros países ao longo das últimas décadas. Destarte, pelo lado chinês, as retaliações indicariam sua...

O xadrez fiscal

06.03.2019
No mês de janeiro, o Tesouro Nacional divulgou o resultado das contas públicas para o mês de dezembro e, por conseguinte, para o consolidado do ano. Em 2018 o governo federal voltou a registrar, pelo quinto ano consecutivo, saldo negativo em suas contas, apresentando resultado primário (diferença entre receitas e despesas, sem considerar o pagamento de juros) deficitário de R$ 120,3 bilhões, o equivalente a 1,7% do PIB. Este resultado ficou abaixo da meta projetada para o ano de um déficit de R$ 159 bilhões, mas praticamente repetiu o resultado obtido em 2017, cujo saldo negativo fora de R$ 124,3 bilhões. No ano passado a despesa primária, sujeita ao teto de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional 95/2016 (que limita a expansão das despesas governamentais à inflação do ano anterior), totalizou R$ 1.287,9...

Mais um ano decepcionante

19.12.2018
Chegamos ao fim de mais um ano e, como é costume nesta época, é hora de fazer um balanço do período que se encerra. Em dezembro passado, neste mesmo espaço, no artigo intitulado “Que venha 2018”, afirmava que, com a manutenção de taxas de juros baixas, inflação controlada, maior volume de crédito e aquecimento do mercado de trabalho, estaria aberto o espaço para uma recuperação substancial da economia brasileira em 2018. De fato, a taxa básica de juros atingiu seu menor patamar histórico (6,5% em março) e assim permaneceu ao longo de todo o ano. A inflação permaneceu comportada (devendo terminar o ano entre 4,0% e 4,5%), bem como experimentamos uma leve recuperação do mercado de trabalho com a taxa de desocupação ficando em 11,9% (dados de outubro),...

Um nó difícil de desatar

03.12.2018
Em maio de 2017, neste mesmo espaço, compartilhei com os leitores a minha visão do que deveria ser uma verdadeira reforma tributária, em uma época em que o Governo Temer ainda se propunha a debater o tema. Agora, no momento em que a sociedade brasileira acaba de eleger, em segundo turno, um novo Presidente para um mandato de quatro anos, cabe voltar à questão. É premente a necessidade de uma reforma do sistema tributário brasileiro que vigora, sem grandes alterações, desde a última grande reforma empreendida pelo Governo Castelo Branco, ainda nos primórdios do regime militar que comandou o país por 21 anos (1964-1985). Todavia, o que se sabe até o momento, da visão do Presidente eleito e de sua equipe sobre o assunto, é meramente um alinhavado de propostas, haja vista o paupérrimo debate de temas...

Dez anos da Crise de 2008

19.10.2018
Quinze de setembro de 2008. Foi neste dia que o banco americano Lehman Brothers abriu falência, sendo o estopim da propagação daquela que é tida como a maior crise econômico-financeira desde a depressão dos anos 1930. A chamada crise do subprime (hipotecas de segunda linha), porém, começaria anos antes, quando milhares de famílias de baixa renda nos EUA tomaram empréstimos a taxas variáveis, dando como garantia suas casas. Quando, entretanto, as taxas de juros subiram - e algumas destas famílias passaram a ter dificuldades para quitá-los -, bancos, com receio da inadimplência, dificultaram novas linhas de crédito imobiliário. Desta forma, reduziram o número de compradores e, com isso, derrubaram os preços dos imóveis, agravando ainda mais a crise no setor. As instituições que...

Uma decisão inesperada

27.06.2018
O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) decidiu, de forma surpreendente, em sua última reunião de maio, manter a taxa Selic em 6,5% a.a., colocando fim ao ciclo de doze cortes consecutivos que se iniciou em outubro de 2016. A decisão de manter a taxa básica de juros da economia em 6,5% foi interpretada pelo mercado como um sinal de cautela do BC diante da recente desvalorização cambial. As tensões com o Irã e a pressão sobre os preços do petróleo e, por conseguinte, sobre a taxa de inflação nos Estados Unidos, fez crescer no mercado a expectativa de que os juros norte-americanos devam subir mais rápido que o esperado. Este fato tem conduzido a uma disparada do dólar. A questão é que, com juros mais altos, os Estados Unidos (considerado país...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.