Ser mais competitivo sem baixar a qualidade: este é o desafio

16.08.2017

Períodos de crise econômica normalmente provocam reflexos profundos no mercado. Empresas que não possuem uma gestão eficiente acabam tendo enormes dificuldades, quando não fecham as portas. Empresas bem administradas tomam decisões necessárias para enxugar de forma inteligente, aperfeiçoam processos, melhoram a eficiência produtiva e buscam novos mercados, resultando em um negócio muito mais competitivo, que crescerá bastante quando as dificuldades diminuírem. Outras consequências também ocorrem, algumas positivas e outras negativas. Dentre estas últimas, uma que me preocupa sobremaneira é a queda de qualidade dos produtos em geral.

Na busca por preços mais reduzidos a indústria calçadista, curtidora ou de bolsas e artefatos “aperta” seu fornecedor para baixar os preços das matérias primas. Este ajuste se faz necessário e é natural em momentos de mercado de consumo reduzido, na busca por espaços que serão inevitavelmente retirados de outro competidor. O correto, o adequado, é que os fornecedores façam esta redução a partir de ganhos de produtividade, de redução de custos internos de processos, de logística, ou na otimização da negociação de compra de seus insumos, por exemplo.

Contudo, muitas vezes, o que ocorre é uma simples troca de insumos tradicionais por outros de preço mais baixo e qualidade inferior. Como consequência, o componente ou matéria prima que chega ao fabricante de produto final pode não atender o nível de qualidade exigido pelo mercado. Os calçados e bolsas tornam-se mais e mais descartáveis e as marcas passam a ser arranhadas por esta performance sofrível. Tudo isto resulta em um nivelamento por baixo, muito prejudicial as empresas da cadeia produtiva.

No mundo que vivemos, que caminha para um consumo consciente, esta prática torna-se danosa. Todas as empresas do setor devem buscar maior competitividade sem transformar a qualidade no patinho feio. É mais ou menos fazer o que o nosso governo faz para ajustar as contas: ao invés de reduzir custos e ser mais eficiente, faz o mais fácil e menos doloroso (para ele) que é aumentar impostos.

Todas as nossas empresas são ineficientes em algum ponto, em maior ou menor escala; todas têm custos que podem e devem ser reduzidos sem comprometer a operação; sempre é possível melhorar a produtividade, mesmo que em percentuais baixos. Contudo isto requer conhecimento, firmeza, capacidade de realizar mudanças, ter ótimo controle e saber avaliar investimentos. Capacitar os profissionais e o próprio empresário em gestão da produção e empresarial, respectivamente, pode ajudar muito. Mas poucas empresas estão se dando conta disto.

Luis Coelho

Luís Coelho é consultor internacional de empresas formado em Tecnologia de Produção de Calçados e pós graduado em Educação pela Feevale, com MBA em Comércio Exterior e Negócios Internacionais pela FGV. É diretor da Coelho Consultoria Empresarial Ltda.

VEJA TAMBÉM...

Competitividade: além de tecnologia é preciso bons profissionais

12.05.2017
Vou retomar um assunto que considero fundamental, não só para a indústria calçadista, mas para a de artefatos, para os curtumes e para qualquer outra atividade industrial: a qualificação dos técnicos e chefias. Paradoxalmente ao avanço tecnológico no mundo, percebo que as empresas do setor sofreram um empobrecimento do conhecimento técnico dos profissionais que atuam em sua área industrial. Há vinte anos atrás tínhamos mais técnicos melhor preparados do que hoje. Ao invés de termos evoluído neste quesito ao longo do tempo, fomos perdendo profissionais por diversos fatores e as empresas não os repuseram. Seja porque não encontraram no mercado, ou porque não adotaram a política de investir na qualificação destes profissionais, ou porque buscaram reduzir custos internos e...

Competitividade: além de tecnologia é preciso bons profissionais

05.05.2017
Vou retomar um assunto que considero fundamental, não só para a indústria calçadista, mas para a de artefatos, para os curtumes e para qualquer outra atividade industrial: a qualificação dos técnicos e chefias. Paradoxalmente ao avanço tecnológico no mundo, percebo que as empresas do setor sofreram um empobrecimento do conhecimento técnico dos profissionais que atuam em sua área industrial. Há vinte anos atrás tínhamos mais técnicos melhor preparados do que hoje. Ao invés de termos evoluído neste quesito ao longo do tempo, fomos perdendo profissionais por diversos fatores e as empresas não os repuseram. Seja porque não encontraram no mercado, ou porque não adotaram a política de investir na qualificação destes profissionais, ou porque buscaram reduzir custos internos e...

Fimec: tudo e mais um pouco

15.03.2017
Estamos chegando a mais uma Fimec, a principal feira de máquinas, insumos e componentes para calçados das Américas. Alguns acreditam que, por apresentar todos os elos da cadeia de suprimentos de calçados, ela seja a única no mundo. O certo é que esta feira é extremamente importante para o nosso setor. É ela que aponta os caminhos da tecnologia, da inovação e da produtividade para as nossas indústrias de calçados, bolsas e artefatos. Além de mostrar o desenvolvimento de produtos que agregam design, e as tendências de comportamento e de moda. Nela estarão presentes os principais fabricantes e fornecedores de todo o tipo de produto e serviço que as indústrias brasileiras e estrangeiras necessitam. Cada profissional da área deveria visitar a feira e tomar conhecimento das evoluções que...

Vai dar certo!

01.03.2017
Estamos começando um novo ano, cheio de expectativas e esperanças. 2016 foi difícil, complicado e o mercado oscilou muito. O câmbio foi às alturas e despencou, complicando a vida das empresas exportadoras de calçados e das importadoras de insumos. O varejo nacional, diante de tantas incertezas na economia e na política, pisou no freio. Toda a cadeia sentiu os efeitos desta instabilidade e tomou medidas às vezes radicais de corte de gastos, de racionalização de produto e processo, de enxugamento do grupo de trabalhadores, abortando projetos maravilhosos para retomar em um momento mais propício. Não é mais possível um país como o Brasil sofrer e passar tanta dificuldade por causa da incompetência da classe política que, ao longo dos anos, como agora ficou provado, preocupou-se quase tão somente com as...

E o que prevíamos começou a se realizar

09.12.2016
Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca se acabe! Este ditado popular se aplica perfeitamente à concorrência que a China nos impôs nos últimos 25 anos. Depois de termos exportado quase 200 milhões de pares em 1993 – nosso melhor ano em toda a história calçadista brasileira –, só acumulamos queda nos volumes exportados nos anos seguintes. Conseguimos estabilizar nos 120/130 milhões de pares nos últimos quatro anos, mas nossa participação no mercado norte-americano, que já chegou a representar 12% das importações de calçados daquele país, hoje não passa de 2%. Contudo, a China finalmente começa a dar mostras de que o dito popular é verdadeiro. Depois de mais de 30 anos só acumulando índices positivos de crescimento da produção e da...

Como manter a empresa COMPETITIVA?

09.12.2016
Nesta busca incessantemente pela competitividade, intensificada pelo momento econômico adverso, que encolheu mercados e provocou queda nos preços de venda da maioria dos bens duráveis e não duráveis, as empresas estão permanentemente buscando reduzir seus custos e aumentar sua eficiência produtiva e comercial. Tudo é colocado na ponta do lápis, medido e racionalizado. Enxugam-se linhas de produtos e profissionais com salários mais altos, espreme-se os fornecedores para que baixem seus preços, racionalizam-se os modelos para que sejam mais produtivos, automatizam-se as linhas de fabricação para obter mais eficiência produtiva. Enfim, procura-se de todas as formas manter o negócio competitivo, gerando lucratividade. Não é uma tarefa fácil. Às vezes temos que fazer um recuo estratégico, diminuindo...

Future Footwear

11.10.2016
A Abicalçados lançou recentemente, com o apoio das demais entidades do setor, o projeto Future Footwear. Esta iniciativa tem como objetivo que a cadeia coureiro-calçadista comece a pensar no seu futuro, nas tendências do mercado consumidor, em como a tecnologia vai influenciar produto, processo e equipamento. Esta iniciativa começou há dois anos, quando em conversa com o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, fizemos uma provocação à entidade, questionando como ela poderia sinalizar às indústrias os caminhos a serem percorridos para evoluir tecnologicamente e tornarem-se ainda mais competitivas e de forma globalizada. Desta conversa surgiu a ideia de elaborarmos um pré-projeto que contemplasse estudos e ações para serem trabalhados pela entidade. De posse deste documento, a equipe da Abicalçados, composta...

Conhecimento e experiência que se foram...

12.08.2016
Tenho comentado em colunas escritas anteriormente sobre o fato de que as empresas da cadeia coureiro-calçadista apresentam deficiências de conhecimento técnico nas suas equipes atuais. Posso afirmar que alguns anos atrás as indústrias tinham um número bem maior de profissionais qualificados, desenvolvendo produtos, avaliando a qualidade, supervisionando a produção e, até mesmo, atuando na comercialização. Muitos destes profissionais aposentaram-se, mas muitos foram buscar outros mercados, ou foram requisitados por suas empresas ou por empresas internacionais para atuarem em outros países. Aqui ao lado mesmo, na Argentina, existe um grande número de técnicos que estão atuando em indústrias brasileiras lá instaladas, ou ainda, em empresas daquele país que sabem do valor dos profissionais brasileiros. O...

Conseguiremos exportar como antes?

28.06.2016
Brasil já foi um dos maiores exportadores de calçados. Na década de 1980, não havia fábricas suficientes para produzir todo o calçado que os grandes mercados demandavam, em especial, os Estados Unidos. Nos principais polos da época, Vale do Sinos e Franca, qualquer indústria de calçados que tivesse interesse podia fabricá-los para as tradings existentes, que representavam grandes cadeias de lojas nos Estados Unidos e Europa. Na década seguinte, mais precisamente em 1993, batemos o nosso recorde, exportando 200 milhões de pares. A partir daí, com a ascensão da China e dos demais países asiáticos na industrialização de calçados, perdemos muita competitividade em função dos preços praticados no outro lado do mundo, cujas causas são de conhecimento geral. Hoje, passados mais...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.