Banco Central independente?

07.03.2019

Tem sido recorrente na imprensa econômica a discussão sobre a conveniência de se conceder independência operacional ao Banco Central (BC). Alegam os defensores dessa ideia – amplamente apoiada por economistas e operadores do mercado financeiro – que um BC independente politicamente do Estado gozaria de maior credibilidade, tornando a política monetária mais robusta e possibilitando uma redução da taxa básica de juros e do risco-Brasil.

A tese vem sendo tratada com naturalidade na imprensa ao longo dos anos, como se estivesse plenamente amparada por experiências históricas de sucesso em outros países. Seria isso verdadeiro?

Chamamos de Política Econômica o conjunto de ações do governo sobre a economia para atingir determinados objetivos socialmente relevantes: crescimento econômico, estabilidade de preços, geração de empregos, distribuição de renda, entre outros. As principais políticas econômicas são aquelas que atuam sobre a atividade econômica, mediante cobrança de tributos e alocação dos recursos arrecadados (política fiscal); sobre a moeda e o crédito, facilitando e potencializando a produção e a distribuição de bens e serviços (política monetária); e aquela que atua sobre o câmbio, regulando as relações econômicas do país com o resto do mundo (política cambial).

Todas essas políticas estão a cargo, obviamente, de instituições de Estado, pois são de interesse público. No caso da política monetária, a instituição do Estado encarregada tecnicamente de controlar o volume de moeda e de crédito, necessários para o funcionamento saudável da economia, é o BC. Portanto, tornar o BC independente politicamente do Estado significa, na prática, que este abdicaria da política monetária. Isto faz sentido? Qual Estado abriria mão de uma ferramenta tão fundamental para comandar a economia?

As nações da Zona do Euro abdicaram de suas moedas e de seus bancos centrais em favor de um projeto mais amplo de unificação econômica e monetária regional – ainda em construção e muito complexo. Não é o caso do Brasil. Já o Federal Reserve (FED), banco central do EUA, costuma ser citado como grande exemplo das virtudes de um BC independente. Mas até que ponto isso é verdadeiro?

Apesar da independência formal do FED, Roosevelt em 1933 e Eisenhower em 1952 destituíram os presidentes da instituição, diante das necessidades objetivas da economia do país. Como o presidente de um BC, sem um único voto popular, poderia resistir à pressão de um presidente da República amparado por milhões de votos?

Na verdade, a ideia de um BC independente parece guardar mais relação com interesses privados de controle sobre a moeda, os juros e o crédito de um país do que propriamente com interesses coletivos fundamentados em experiências históricas reais.

O BC brasileiro goza de grande autonomia operacional e tem como mandato exclusivo assegurar a estabilidade monetária, diferentemente do BC dos EUA, cujo mandato é duplo: garantir baixo desemprego e estabilidade monetária, o que é muito mais complexo! Ao BC brasileiro basta elevar juros e desaquecer a economia para derrubar a inflação – tarefa muito mais simples.

Cabe a pergunta: a quem interessa a independência do BC? De quem ele deve ser independente, afinal? Isso é tema para outra coluna.

Andrés Vivas Frontana

Andrés Vivas Frontana é economista, mestre e doutor em Teoria Econômica pela USP e professor da ESPM, no curso de Administração.

VEJA TAMBÉM...

Indústria e política econômica

19.12.2018
O mercado financeiro celebrou a vitória de Jair Bolsonaro na eleição presidencial, diante da perspectiva de manutenção do tripé que orienta a política econômica do país há praticamente duas décadas, com alguns reveses temporários. O economista Paulo Guedes seria a garantia da permanência desse arranjo tão favorável aos interesses do sistema financeiro, que combina juros altos, câmbio valorizado e aperto fiscal. Os empresários do setor produtivo também manifestaram satisfação com o resultado eleitoral, acreditando em dias melhores com a perspectiva de aprofundamento de uma pauta de medidas de liberalização econômica. Mas cabe a pergunta: o que é bom para o mercado financeiro necessariamente é benéfico, por exemplo, para a indústria? A...

É possível crescer mais?

03.12.2018
A previsão de analistas do mercado financeiro é que a economia brasileira cresça 1,4% em 2019, segundo o Boletim Focus do Banco Central. Um ritmo bastante insatisfatório de expansão, se levarmos em conta a recessão de 2015-2016 e a tímida recuperação de 2017-2018. Uma retomada mais vigorosa da economia depende de condições favoráveis de oferta, de demanda e de financiamento. Tais condições não estão ausentes, mas só serão materializadas a partir de uma reconstrução institucional que passa por melhores condições de governabilidade. Pelo lado da oferta, a indústria opera atualmente com capacidade ociosa de 32%. Isto significa que as empresas têm espaço para responder a estímulos da demanda, sem pressão sobre custos e, portanto, sobre a...

VÍDEO

+ VEJA MAIS

AGENDA

+ VEJA MAIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Cadastre seu e-mail para receber as novidades do Exclusivo.